8c077a_3ab48f88ab384a549d1e4022c229b90f.
press to zoom
8c077a_d766b8de3b2f443199057966ba94ad53.
press to zoom
DSCN3076
press to zoom
8c077a_5f9b027234a24615b2ca59de73f34e2c.
press to zoom
8c077a_d889bc5897f243d1be4a690af104f3d2.
press to zoom
DSC_1140
press to zoom
8c077a_064604fa5b5f4b92952e33fec8ed218b.
press to zoom
DSC_0756
press to zoom
8c077a_d69f0531b3604a7b42c28f10827dfb45.
press to zoom
1/5

Apresentação

Há alguns anos visitei a Galeria de Arte Dom Quixote num dia especial, em que eram homenageados vários artistas nacionais consagrados. Logo na entrada me deparei com um quadro de Di Cavalcante, repousando sobre um velho cavalete. Ao lado, um texto do artista definindo de modo criatalino o significado da arte:

 

"Se nas artes plásticas

Não existir o sopro da poesia

Que é o poder de atingir o eterno,

Tudo se torna formal e perecível

E se diluirá no tempo..."

Eu atravessava um período de incertezas em relação à minha pintura, com toda aspiração de artista acuada por uma avalanche de ideias e conceitos preconizados de forma quase consensual pela crítica especializada, que se contrapõem ao meu modo de ver a pintura que tem o desenho como base.

A leitura daquele texto me trouxe alento e conforto, pois encerrava de uma vez por todas com um dos meus maiores questionamentos.

Hoje, menos pretensioso, eu pinto para mim e para o observador desarmado, para o povo simples ou, como diz o poeta Mário Quintana: "para a Maria de todo dia e para o João cara de pão".

Eu pinto o que sinto e o que me toca, alimentado pelo que vejo.

Eu pinto como quem escreve um poema e, ao fim, simplesmente, o expõe num muro, sem pretensão alguma.

Sino Valentim

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon